Sailor Moon Vol. 8

Review do mangá da JBC

i3EI7JvLBshEx

O oitavo volume da obra das Guerreiras Sailor se divide em duas partes: o final do Arco Infinito, com os atos 36 ao 38 concluindo a fase S do anime; e o ato 39 que introduz o arco Sonho, um dos mais belos do mangá, correspondente ao início da SuperS. Esse volume está imperdível e veio recheado de acontecimentos!

Conteúdo

A batalha na Zona Triangular chega ao ápice. Uma grande explosão no prédio da Academia Infinito revela Mistress 9 para Sailor Moon, que inicia o processo de fusão de Pharaoh 90 com a Terra. Enquanto as guerreiras tentam detê-la como podem, Hotaru tem sua própria luta interna para proteger a alma de Chibiusa e o Cristal de Prata, além de ter que lidar com as investidas da serva demoníaca de engolir almas para conseguir mais poder.

vol08a-ed

É em um desses momentos que a jovem menina de cabelos pretos se mostra bem diferente daquela doentia e introspectiva dos volumes anteriores. Altruístra e determinada, Hotaru desperta uma força que desconhecia e liberta as almas que estavam com ela, incluindo a pequena princesa e sua joia. Essa é uma das cenas memoráveis do volume, mais ainda para os fãs da dupla, onde Hotaru se despede da amiga com muita emoção. Naoko super caprichou no desenho da Chibiusa chorando, que só não ficou mais linda porque a situação é triste pra caramba! Palmas para a desenhista, que conseguiu investir mais tempo no trabalho (ela justificava o desenho porco pela falta de tempo) e evoluiu os rabiscos do arco Infinito para quadros melhor arte-finalizados e com beleza singular, principalmente nos rostos expressivos que sempre foram sua especialidade.

Cheia de vontade, Chibimoon parte para o campo de batalha e finalmente tem seu destaque como guerreira em treinamento, apesar de breve. Seu poder se equipara ao de Super Sailor Moon quando juntas utilizam o “Disparo do Coração das Luas-Arco-Íris Gêmeas”! *O*. Apesar de multi-mega-power-lindo (e mal traduzido – não seria muito mais fácil colocar Double como duplo?), o ataque – que de gêmeo não tem nada – nem faz cócegas em Mistress 9, muito menos os poderes das demais, levando-as ao limite do cansaço e do desespero.

vol08g-ed

Somente Super Sailor Moon mantém a esperança que ela construiu no último volume e mergulha em direção ao inimigo para selá-lo. Em vão. E o que era tão temido acaba acontecendo: a última guerreira, Sailor Saturn, desperta para cumprir seu destino e dar fim a tudo.

Apesar de sempre colocada como uma guerreira fria e impiedosa, Saturn tem sentimentos e eles são compreendidos principalmente por Sailor Pluto e Sailor Moon. A primeira por compartilhar a dor de sua solidão e seu isolamento. A segunda por entender que a missão das duas é exatamente a mesma: reestabelecer a paz no mundo. Essas emoções desencadeiam atitudes que conduzem essa incrível história para seu desfecho, onde destruição e renascimento, símbolos do planeta Saturno, coexistem lado a lado. No fim, é como se Naoko redimisse a antagonista de seu passado triste e desse a ela a chance de recomeçar, com direito a família e tudo!

Depois da papagaiada do arco Dark Kingdom e de uma leve melhorada em Black Moon, o arco Infinito eleva o mangá a outro patamar, desenvolvendo de forma coerente e bem construída uma história sombria, madura, mas ao mesmo tempo bem humorada e com a forte mensagem de amor e de esperança tão característica da série. Se essa trama destinou-se a criar relações entre Moon e as novas personagens, com poucas, mas importantes participações das demais, é no arco Sonho, cujo primeiro ato encerra este volume, que as guerreiras do eixo principal voltam para o centro da história revelando seus mais profundos desejos.

As garotas voltam à rotina e estão muito felizes porque finalmente tornaram-se colegiais. É chegado o dia em que Chibiusa decide voltar ao século 30, porém, em meio à despedida, um eclipse solar começa e Usagi, Chibiusa e Mamoru veem um cavalo branco alado em um bosque pedindo ajuda. Ao mesmo tempo, o intrigante barco voador “Circo Dead Moon” chega à cidade e Mamoru começa a sentir dores no peito. Um tigre foge do circo recém-chegado provocando pânico na cidade, e Usagi e Chibiusa decidem se transformar para combatê-lo! As duas parecem ter perdido seus poderes, mas recebem uma ajuda inesperada e conseguem resolver a situação, pelo menos por enquanto.

vol08e-ed

O problema é que o Circo Dead Moon é uma fachada do clã do novo inimigo, composto por habitantes da Lua Nova, rivais do Reino da Lua Branca. Chefiados pela Rainha Nehelenia, comandados por uma velhota horrenda e pelo olho fofoqueiro Zircon, o circo tem na linha de frente de combate o Quarteto Amazonas, garotas circenses que fazem magia e brincadeiras com bolas encantadas. Elas enviam como subordinados três animais transformados (ou travestidos?) em figuras humanas, o Trio Amazonas.

Talvez o ponto mais chamativo desse início de arco tenha sido a aparição deles. Não só porque nós os amamos, mas porque a edição da JBC usou pronomes femininos para definir seus membros. Como já esclarecemos aqui, a própria Naoko determinou que o Trio Travesti falasse e agisse como mulheres. Ponto pra adaptação que não teve preconceito!

Porém, como todo sonho pode virar pesadelo, na mesma página, por uma tradução infeliz, os soldados menores do Circo foram chamados de “Remless”. Neste outro artigo a gente explica que o termo original REMURESU deve se referir às criaturas mitológicas Lêmures, sombras malignas vagantes de mortos que ainda não descansaram.

vol08f-ed

Apesar dos pesares, as peripécias circenses estão apenas começando. Usagi vira criança e Chibiusa uma mulher adulta, sonhos ocultos das duas! Como será que as coelhas vão sair dessa? Só conseguiremos descobrir no volume 9, que vem aí pra revelar todos os mais lindos sonhos dourados das Guerreiras!

Leia Mais