20 anos de Sailor Moon no Brasil

13090561_10209643593593660_1855943953_n

Há longos vinte anos, a Manchete exibiu o primeiro episódio de Sailor Moon no Brasil. Já tendo dominado o país com os cavaleiros de Atena, era a hora de conquistar as meninas trazendo o shoujo de maior sucesso do Japão para cá.

Serena, Ami e Rei logo conquistaram os corações dos brasileiros, mas não foram apenas das meninas não, muitos meninos se apaixonaram pelas guerreiras da lua.

A nossa versão de Moonlight Densetsu ficou magnífica e era fácil encontrar crianças cantarolando na rua ou na escola. A dublagem deu uma carga emotiva muito grande a série. Era impossível não se apaixonar pelo Tuxedo Mask, não rir da Serena e Sailor Mars se tornou a queridinha do país pelo seu temperamento explosivo. Depois de uma temporada de reprises, Lita e Mina se reuniram ao time. Com os olhos marejados de lágrimas, descobrimos que a Serena era a verdadeira Princesa da Lua. Dali em diante, foi só emoção, culminando nos episódios finais que até hoje nos fazem chorar.

homepage-sailor-moon-quiz

Com várias reprises, a Manchete conseguiu uma legião de fãs de Moon, mas a lua de mel acabou por aí. A emissora enfrentava problemas financeiros e não adquiriu mais episódios do anime – apesar de ter feito chamadas de Sailor Moon R – vindo a falir pouco depois. Os fãs matavam a saudade das guerreiras e descobriam um pouco mais sobre a série nas revistas especializadas e na internet recém nascida no Brasil e de difícil acesso. Mesmo assim, os moonies se uniram em longas madrugadas tentando ler os mangás no findado Brazilian Moon Shrine (BMS) e para conversar em chats no ICQ.

Moonie brasileiro nunca desiste e durante anos pediram o retorno da série ao país. O primeiro SOS Sailor Moon nasceu na BMS. Somente em meados dos anos 2000, o Cartoon Network decidiu investir em desenhos japoneses e  decidiu dar um espaço em sua programação para garotas mágicas às tardes.

Foi com lágrimas nos olhos que os fãs viram as chamadas de Sailor Moon nos comerciais do canal fechado. Todos se reuniam nos fóruns comentando sobre o retorno do anime. As fitas da Classic foram esquecidas nos porões da Manchete e no dia 1º de novembro de 2000 o primeiro episódio de Sailor Moon R foi exibido. A emoção de rever as guerreiras da lua na televisão vinha com um gosto amargo pela nova dublagem.

Todas as vozes foram mudadas, a nossa querida música ganhou uma versão nova. Foi muito difícil aceitar novas vozes nas nossas sailors, principalmente com o odiado termo “Sailor Moons”. Os moonies reclamaram, ligaram e visitaram os estúdios da BKS pedindo a mudança de elenco. Infelizmente, isso não aconteceu, mas a qualidade das adaptações melhorou muito na fase S. Nos anos seguintes, o Cartoon exibiu todas as fases restantes e uma nova geração de fãs nasceu.

740full-sailor-moon-r-poster

Os moonies, porém, queriam mais, eles queriam o mangá nas bancas e o anime na TV aberta de novo. Naquela época, poucos podiam pagar pelo cabo e era quase impossível ver episódios completos na internet. Então, quando a Record anunciou Sailor Moon R no programa da Eliana, os fãs deliraram.

Com os mangás de Cavaleiros e Dragon Ball nas bancas era questão de tempo a Conrad ou a JBC trazer o mangá de Sailor Moon para o Brasil. A grande decepção chegou abruptamente, devido a uma desavença contratual da autora Naoko Takeuchi com a Toei Animation, com a qual todos os produtos da franquia pararam de ser comercializados. A Record retirou o anime do ar na metade  e o mangá nunca veio ao Brasil.

Foram anos escuros para os fãs. Sailor Moon só não caiu no esquecimento graças aos sites que ofereceram refúgio. Em 2004, alguns de maior alcance como o Sailor Moon Vídeo, o  Sailor Moon Mangá e o Coelhinho da Lua se uniram ao SOS Sailor Moon e formaram o SOS Sailor Moon Project. Durante todos esses anos, com ou sem novidades, manteve-se online para dar uma casa aos fãs brasileiros.

Em 2011, os direitos de Sailor Moon voltaram a ser negociados no Brasil. A empresa CD&DVD Factory lançou um DVD com os três primeiros episódios de Sailor Moon S. Apesar da boa qualidade de imagem e o acabamento do disco, não era essa a proposta que os fãs queriam e o produto não foi bem visto pelo público.

O grande sonho era a redublagem do anime original desde o início, com o lançamento do mesmo em um Box. Inclusive dos filmes e especiais. Começar pela metade não funcionou.

evento01

As boas notícias demoraram, mas chegaram em um evento surpresa em 2013. A Editora JBC anunciou que iria publicar o mangá no Brasil! A festa de lançamento reuniu várias gerações de fãs em São Paulo e a 1ª edição ficou na lista das publicações mais vendidas naquela época.

Logo depois, em 2014, foi o ano em que sonhos se tornaram realidade. Sailor Moon ganhou uma nova versão inspirada no mangá: Sailor Moon Crystal, que foi transmitida simultaneamente no Brasil com legendas em português pelo Crunchyroll.

Agora, comemorando os 20 anos de Sailor Moon no Brasil, podemos ver a terceira fase do novo anime todas as segundas-feiras, às 11h30, junto com os japoneses. Temos muito que comemorar, mas como todo moonie queremos mais e mais. Que Sailor Moon Crystal e a primeira temporada venham ao Brasil dublados logo. Estamos ansiosos por ouvir o “Pelo poder do prisma lunar” novamente.

sailor-moon-crystal

É impossível não mencionar que durante esses 20 anos, a equipe do SOS Sailor Moon esteve presente acompanhando tudo,  compartilhando informações e ajudando a manter acesa a chama dessa série em todos nós. Hoje, queríamos compartilhar com vocês nossas carinhas e sentimentos, com depoimentos mostrando como nos apaixonamos por Sailor Moon.

Obrigada a todos pelo carinho e compartilhem também, aqui nos comentários, como se apaixonaram por Sailor Moon.

Depoimentos

Camila - Luna Tsukino - Membro Atual do SOS Sailor Moon

Camila – Luna Tsukino – Membro Atual do SOS Sailor Moon

Ano 2000. O técnico acaba de instalar TV por assinatura, por volta das 15h. Sintoniza Cartoon Network. De repente uma garotinha de cabelos cor de rosa me faz pensar “hmm, desenho japonês!”. Depois, uma loirinha usando o odangos com uma gata falante invadem a tela e o coração dispara. Um grito automático não consegue ser contido, “OMG, é Sailor Mooooonnnnn! Ainda existe!”. Conheci Sailor Moon ainda criança, aos 11 anos, fui geração Manchete, e sou apaixonada desde então. Mas acho que somente depois do reencontro que a paixão foi completa. SM pra mim trouxe oportunidade de conhecer uma cultura e língua maravilhosas, amigos fantásticos pra vida toda, histórias e emoções verdadeiras que sempre gosto de reviver. É uma fase da minha vida que nunca quero deixar passar, e que pretendo perpetuar adiante com minha filha! Obrigada Naoko!

Haroldo - Phantasma - Membro atual do SOS Sailor Moon

Haroldo – Phantasma – Membro atual do SOS Sailor Moon

Eu me lembro de ver o comercial de Sailor Moon, mas não cheguei a sintonizar no horário para ver. Acompanhava a Rede Manchete freneticamente, com todos os animes e tokusatsu que tiveram até então, mas sempre fui um telespectador do zapping (mudança de canais). Era um desenho na Globo, outro no SBT e logo que dava o horário, passava para Manchete para ver Cavaleiros. Como Sailor Moon passava antes, numa dessas, comecei a ver. Sempre gostei de histórias com poderes, magias, transformações e além disso, o desenho era muito engraçado, cheio de caras e bocas. Numa época em que Cavaleiros era o melhor anime que passava, Sailor Moon se destacou na história em que apareciam novas guerreiras, era divertido e chegou para estar páreo a páreo com Cavaleiros, pois a série tinha o que faltava nas outras: um enorme carisma. Quando não tinha mais na Tv, eu vasculhei toda a internet para ter os episódios antigos dublados e descobri todo o universo das outras temporadas que lia nas revistas e agora, outros fãs como eu, me contavam como estava sendo na tv fechada, pois eu não tinha acesso e não vi na época. Com tudo isso, conheci muitas pessoas que figuram como meus grandes amigos, meus irmãos escolhidos! É um privilégio ter essa série na minha história e estar na sua história também.  

Leandro - Clow - Membro atual do SOS Sailor Moon

Leandro – Clow – Membro atual do SOS Sailor Moon

Era viciado em Cavaleiros do Zodíaco e assistia a tudo que passava na Rede Manchete. Daí, um dia, aquela menina desengonçada com poderes mágicos surgiu na minha vida e eu tive uma direta empatia por ela. Personagens femininas com poderes sempre me fascinaram desde os X-men e é engraçado perceber hoje como essas meninas fizeram parte da minha vida e ajudaram a construir um pouco da minha identidade. Eu viajava nas matérias das revistas da época que contavam sobre o futuro da série, passava a madrugada toda baixando vídeos de 2mb só para ver os novos poderes e transformações. Quando tive a oportunidade de ver as fitas cassete em japa das outras fases, tudo vinha com um gostinho de primeira vez e brilho nos olhos. Mas o mais importante que Sailor Moon me proporcionou ao longo desse caminho foi conhecer pessoas maravilhosas. Este, com certeza, é o maior legado dessa série que ainda promete render novos e novos frutos.

Letícia Cosmos - Membro SOS Sailor Moon

Letícia Cosmos – Membro Atual SOS Sailor Moon

Eu tinha 10 anos quando comecei a ver Sailor Moon, foi amor à primeira vista! Eram os “Cavaleiros de saia”! Graças a Sailor Moon conheci algumas das pessoas mais importantes e queridas da minha vida. Além de salvar a Terra em cada episodio, ela também salvou a minha vida. Ela foi meu bote salva-vidas e minha companheira numa das etapas mais difíceis que já enfrentei. Não há nada no mundo que pague o que essa série já fez por mim, e é por isso que esse amor só cresce mais e mais.

Jamilly - Membro atual do SOS Sailor Moon

Jamilly – Membro atual do SOS Sailor Moon

Assim que vi o comercial de Sailor Moon fiquei pensando, eu quero ver esse desenho. Não acompanhei direito desde o começo não, como pré adolescente só colocava na Manchete depois do final de Malhação, por isso nunca tinha visto a abertura. Não tinha nem ideia que a Serena era a princesa, depois daí virei fã, assisti tudo e gravei em vhs meus episódios favoritos. Anos depois vi na Internet um site sobre Sailor Moon e descobri sobre as novas fases. Na minha cabeça tinha que voltar a passar na tv, por isso, chamei todos os fãs para enviarem e-mails as emissoras pedindo por Sailor Moon. Eu achava que seria fácil, a partir daí meu amor pela série aumentou. Fiz grandes amigos e até hoje me emociono com os episódios.

Michele - Makoto Chan - Membro do SOS Sailor Moon 2009-2015

Michele – Makoto-chan – Ex-membro do SOS Sailor Moon

A primeira vez que vi Sailor Moon eu tinha 8 anos. Época da Manchete. Havia acabado de chegar da escola e ao passar os canais, vi um desenho que sabe-se lá por quê me chamou a atenção. Parei pra ver. Era o episódio 45 da Classic. No final daquela meia hora, já chorava loucamente pelas personagens que havia recém conhecido. No dia seguinte voltei para ver o episódio 46. No outro dia, o primeiro episódio. Quando vi, eu estava apaixonada. Claro, ninguém imaginava que essa paixão duraria por 20 anos e que por causa dela eu teria uma tatuagem da Sailor Jupiter. Se me contassem que eu conheceria alguns dos meus melhores amigos por causa de um desenho, também não acreditaria. E tudo isso só começou por causa de uma tarde procurando o que ver, lá em 1996…

Paola - Asuna Hatsune - Ex-colaboradora do SOS Sailor Moon Project

Paola – Asuna Hatsune – Ex-colaboradora do SOS Sailor Moon Project

Conheci a série aos 5 anos de idade quando passava na extinta Manchete. O tempo passou, comecei a ir pra escola e nunca mais ouvi falar, mas o que mantinha a lembrança viva era minha boneca da Sailor Moon que eu amava. Quando tive acesso a internet descobri que o universo era bem maior do que imaginava. Graças a Sailor Moon fiz várias amigas, descobri novos animes (só sou fã de FullMetal Alchemist por causa de SM!) e comecei a colecionar (meu bolso chora hahaha).

Felipe Coelho - Sun Knight - Ex-membro Junior SOS Sailor Moon

Felipe Coelho – Sun Knight – Ex-membro Junior SOS Sailor Moon

Eu à primeira vista não ligava muito pra Sailor Moon, pois o primeiro episódio que vi na TV Manchete já tinha a Sailor Moon com a Mercury e a Mars, já tinha um pouco de conhecimento do anime por ler na extinta revista HERÓI. Foi quando começou a primeira reprise que vi a evolução da Serena como guerreira e aquilo me prendeu e eu queria mais. Sailor Moon é um dos poucos animes que mexem bastante com as minha emoções, ao ponto de me fazer chorar, por isso que gosto tanto e acredito que é um anime que nunca estará ultrapassado, pois as lições aprendidas nele de trabalho em equipe, acreditar em si mesmo e sempre procurar a luz na mais terrível escuridão serão eternas.

Luciene - Serenity Eternal - Ex-membro Junior do SOS Sailor Moon

Luciene – Serenity Eternal – Ex-membro Junior do SOS Sailor Moon

Sailor Moon surgiu em minha vida por acaso aos meus 16 anos.
O que me chamou a atenção, foi ver uma animação em que as garotas não eram colocadas como frágeis e indefesas, que tivessem que ser salvas, mas que eram elas a lutar, a defender as pessoas e o planeta. Sailor Moon foi me encantando pouco a pouco até me conquistar de vez a ponto de hoje, nesses 20 anos, meu amor é o mesmo ou até maior de quando surgiu na telinha pela primeira vez em 1996. Esta série é encantadora pois em alguns episódios consegue reunir comédia, drama, lealdade, romance e busca extrair em nós também essas emoções. Por esse e tantos outros motivos que Sailor Moon é apaixonante .Ver que uma animação é capaz não só de ser um entretenimento, mas reunir pessoas que mantém amizades por anos é algo raro e não é para qualquer animação ou filme não.

Rafa - Ex-membro do SOS Sailor Moon

Rafa – Ex-membro do SOS Sailor Moon

Eu conheci Sailor Moon em 1996, na época do auge dos animes da Rede Manchete. Assistia todos os dias, fazia coleção de revistinhas (animax, heróis do futuro) que tinham Sailor Moon e Cavaleiros do Zodiaco nas capas – para ler os spoilers e curiosidades das próximas temporadas. Sou aquele fã que esteve do lado da série no amor e na dor: Noventista que aguardou o retorno nos 2000, que se assustou com as novas vozes de Sailor Moon R em diante, que pediu melhorias na qualidade da nova dublagem, que participou de abaixo assinados para o mangá vir para o Brasil, que foi surpreendido com uma versão live action,  que vibrou quando o mangá veio pra cá e que hoje em dia deixou de odiar as segundas-feira para acompanhar os episódios da nova versão animada. Dos 30 anos de minha vida, 20 deles passei acompanhando estas guerreiras com roupa de marinheiro, e espero continuar acompanhando nos próximos 20 anos, 40, 60 anos…! 

Paloma - Ex-membro do SOS Sailor Moon

Paloma – Ex-membro do SOS Sailor Moon

Como me apaixonei por Sailor Moon?
Olhando para trás, com meus quase 30 aninhos, é difícil me lembrar de quando foi que SM surgiu na minha vida. Tenho a sensação de que sempre esteve presente. Me recordo com carinho das tardes assistindo os episódios na Manchete e achando que somente eu gostava da história. Qual não foi a minha surpresa que, alguns anos mais tarde, com a internet discada, ICQ e usando a busca do ‘Cade?’ me deparei com um mundo de informações e de fãs. Cheguei ao BMS e lá fiz grandes amigos, alguns dos quais mantenho contato até hoje. Foi por causa de SM que tive o meu primeiro ‘contato com o jornalismo’ (a profissão que escolhi seguir mais tarde), já que comecei a escrever textos para o site ainda bem novinha. As lembranças de caçar fotos na internet, decorar músicas, coreografias, o primeiro cosplay. Com certeza, Sailor Moon faz parte da minha história e sempre será um pedacinho de mim. 🙂

Meiry - Ex-membro do SOS Sailor Moon

Meiry – Ex-membro do SOS Sailor Moon

Eu me apaixonei pelo anime quando estava ali sentada assistindo tv e de repente começou tocar a musiquinha fofa. Estranhei,  era um desenho mais para mulher e ate então só ntinha referência animes como dragon ball e cavaleiros do zodíaco.  Fiquei curiosa,  a menina era chorona,  tinha transformações engraçadas e um a namorado lindo de voz sexy hauhaua..  Ai comecei colecionar revistas e procurar sites.

Paula Rodrigues - Ex-membro do SOS Sailor Moon

Paula Rodrigues – Ex-membro do SOS Sailor Moon

Meu encantamento por Sailor Moon deu-se na época da extinta Rede Manchete. Achei o anime muito bem desenhado e a história era, ao mesmo tempo, empolgante, profunda e divertida. Eu lembro que gravava todos os episódios em fitas cassete e até hoje as guardo como um tesouro. Lembro também, que todo o dinheiro que eu ganhava de aniversário, Natal ou Dias das Crianças, eu juntava e vinha para São Paulo, no Bairro da Liberdade, para comprar fitas cassete dos Fansubers. O engraçado era que não havia legendas nessas fitas, então eu era obrigada a ouvir o áudio original em japonês. Não entendia quase nada, mas isso não tirava o prazer de assistir à série, ainda mais por serem episódios inéditos no Brasil (a Manchete só havia exibido a fase Classic). Ainda me emociono quando ouço a trilha sonora do anime ou assisto aos episódios.
Tenho um carinho enorme por Sailor Moon pois ele marcou muito a minha adolescência e me trouxe grandes amizades que duram até hoje. Realmente foi e é um anime sensacional!